Escolha uma Página

Por mais que você ache estranho e vá contra muita coisa que você ouviu e leu, os pais não devem ser amigos dos filhos. Continue lendo o artigo que explico os motivos.

Parece perfeito um relacionamento onde você é o(a) melhor amigo(a) de seu(a) filho(a), certo? Ele te conta tudo o que acontece com ele, ela fala abertamente de seus relacionamentos e angustias, os dois se divertem juntos. Maravilho, não?

Não, não é!

Nenhum pai ou mãe vai conseguir atingir esse tipo de relação com o filho ou filha, e não é por incompetência dos pais e sim por não ser possível. Apesar de ser idealizado por muitos pais e muitos filho, essa relação é um mito por um simples motivo: ela não é impossível de se manter.

Desde que nascemos, e à medida em que nos tornamos mais velhos, vamos assumindo papeis sociais. O papel começa com filho ou neto, depois estudante, adolescente, vestibulando, trabalhador, homem, mulher, pai, mãe, idoso, etc.

Os papeis servem exatamente para determinar as regras balizam os relacionamentos, o que é permitido e o que é proibido nas relações; determinam a forma de falar, a roupa que se veste, os comportamentos adequados e inadequados e, até mesmo, que sentimentos podem ou não ser expressos. Por exemplo, na igreja (onde o homem assume o papel de fiel ou crente) o homem chorar não é um problema, mas em outros lugares pode se tornar constrangedor. Uma mulher não pode ir trabalhar com roupa de balada (a não ser que ela trabalhe na balada). Uma criança não pode vestir uma roupa sexy. Todas essas regras são apreendidas naturalmente na nossa convivência social.

Quando há confusão entre os papeis isso acaba se tornando um problema e levando a conflitos ou desentendimentos. Vamos pegar, por exemplo, um adulto que também assume o papel de adolescente, quanto mais ele age como um adolescente, mais se afasta do papel de adulto. Tem até um nome para isso: adultoscente.

Outro exemplo, um chefe que assume o papel de pai. Esse chefe acaba interferindo na vida pessoal de seus subordinados, às vezes pode se tornar permissivo ou autoritário e, ainda, ficar dando lição de moral sobre o comportamento dos funcionários. Inadequado, não?

Por fim, um pai que assume o papel de amigo do filho é alguém que não consegue exercer sua autoridade, se coloca como um igual a ele e têm muitos conflitos pela “indisciplina”.

O desejo de ser uma mãe ou pai amigo vem, também, da vontade de ser o melhor pai ou mãe o possível. É o amor que leva os pais a desejarem não ter que usar de seu poder parental sobre os filhos, como se a punição fosse a única forma de controlar o comportamento dos filhos.

Com as leis de proteção à infância e a adolescência surgem as proibições aos castigos físicos. Isso é bom, porém alguns pais também se sentem inibidos de exercer sua autoridade, principalmente na nossa sociedade que autoridade é muito confundida com punição.

Também é bem comum esse desejo de ser amigo dos filhos advir de sentimento de culpa por acharem que não são os melhores pais que poderiam ser. Na vida corrida atual os pais tem que trabalhar, estudar, cuidar da casa e ainda dar conta dos filhos. É muita coisa pra fazer e não dão conta de tudo, e, às vezes, os filhos acabam ficando sem a devida atenção. O sentimento de culpa impede que os pais exerção a autoridade e tente agradar o filho o máximo possível.

Por fim, há os pais emocionalmente imaturos, que tem receio de impor regras e limites aos filhos e perder o amor deles. Esses pais, geralmente, passam da permissividade total para a agressão física, ou fazem chantagem emocional para controlar o comportamentos dos filhos. Pais que são emocionalmente frágeis são os tipos mais nocivos dos para os filhos, ficando atrás apenas dos pais negligentes e/ou abusadores.

Não ser amigo dos filhos não quer dizer que os pais não possam ter comportamentos de amigos. Brincar com o filho, conversar sobre relacionamentos com a filha, dar apoio emocional quando necessário são coisas que amigos fazem. Mas os pais não devem NUNCA usar os filhos para desabafar seus problemas e dificuldades, por mais que o(a) filho(a) pareça uma pessoa perfeita pra fazer isso.

Ser pai ou mãe não é fácil, não vem com manual, muitas coisas são aprendidas na prática, já outras com algum estudo e foi por isso que fiz esse texto. Espero ter ajudado os pais a compreenderem um pouquinho mais sobre seu papel.

%d blogueiros gostam disto: