Já atendi muitos pacientes que chegaram na primeira sessão dizendo que estavam com depressão. Alguns de fato estavam, outros não. Há muitas dúvidas sobre o que exatamente é depressão, então hoje vou esclarecer pra você de uma vez por todas: o que é afinal a depressão.

O QUE É DEPRESSÃO

Se pegarmos o DSM V (Manual Diagnóstico dos Transtornos Mentais – 5ª edição), que é um livro onde estão descritos todos os transtornos psiquiátricos, vamos encontrar um capítulo com um monte de sintomas de depressão. Para você ser laudado com um Transtorno Depressivo Maior você tem que ter uma quantidade destes sintomas por determinado período de tempo. Então, no diagnóstico psiquiátrico, a depressão nada mais é que um conjunto de sintomas que vou descrever mais abaixo.

Porém, não existe um só tipo de Transtorno Depressivo, existem um grupo chamado de Transtornos Depressivos que incluem o Transtorno Disruptivo de regulação de humor, o Transtorno Depressivo Maior, o Transtorno depressivo persistente, o transtorno disfórico pré-menstrual, entre outros. De todos o mais comum é o Transtorno Depressivo maior, e é a este que demos o nome de depressão. Neste artigo me deterei sobre este transtorno.

Para dizermos que a pessoa está com depressão ela precisa apresentar pelo menos cinco dos sintomas abaixo por, no mínimo, duas semanas:

  1. Humor deprimido na maior parte do dia (ex. tristeza, sentimento de vazio, sem esperança);
  2. Diminuição no interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades durante a maior parte do dia;
  3. Aumento ou diminuição significativa de peso sem estar fazendo dieta, pode vir acompanhada de aumento ou redução do apetite;
  4. Dificuldade para dormir, ou aumento da quantidade de sono, quase todos os dias;
  5. Agitação (inquietação, não consegue ficar parado, impaciência) ou lentificação dos movimentos e pensamentos quase todos os dias;
  6. Sentimento de fadiga e perda de energia, tem que se esforçar muito pra fazer algo que antes não exigia todo o esforço;
  7. Sentimento de culpa ou inutilidade;
  8. Capacidade reduzida de pesar ou se concentrar, ou ainda indecisão;
  9. Pensamento de morte, vontade de sumir, planejamento de se matar ou tentativa se suicídio;

Os sintomas têm que estar presentes durante quase todos os dias, e os dois primeiros são imprescindíveis entre os cinco necessários para o diagnóstico.

Resumindo tudo o que está escrito acima, a depressão é um estado de humor triste que é acompanhado de diminuição no interesse pelas coisas ou pessoas, aumento nos sentimentos negativos e diminuição na capacidade de sentir prazer, perda da vontade de fazer tudo e alteração na forma de experiênciar o mundo.

POR QUE AS PESSOAS ENTRAM EM DEPRESSÃO

O principal motivo das pessoas entrarem em depressão é perderem o que chamamos de reforçadores. Um reforçador é uma consequência de algum comportamento que experimentamos como prazerosa ou que trás uma sensação de alívio. Por exemplo, ao fazer sexo temos uma sensação de prazer, ao terminar um trabalho bem feito sentimos satisfação, ao ter algo que fizemos reconhecido nos sentimos felizes, se uma prova difícil da faculdade é adiada sentimos alívio. Quando repetimos os mesmo comportamentos para termos os mesmo resultados dizemos que o comportamento foi reforçado ou fortalecido, e o estímulo que gerou esse fortalecimento é chamado de reforçador. Em outras palavras, reforçadores são estímulos que causam sensações agradáveis que queremos repetir, ou nos causam alívio de algum sentimento desagradável.

Quando a vida da pessoa está estruturada de uma forma que são poucos os comportamentos que ela emite que geram sensações agradáveis ou que são efetivos em eliminar um sentimento desagradável, esta pessoa vai experimentar muito mais sentimentos desagradáveis do que bons sentimentos. Ou seja, os comportamentos que ela emite vão ter, na maioria das vezes, como consequência algo ruim. Por exemplo, a mulher vai contar algo para o Marido e ele não quer ouvir, ela vai trabalhar e todo dia leva bronca da chefe, os filhos só dão trabalho na escola, as contas estão acumulando e falta dinheiro, há brigas constantes entre o casal, ela limpa a casa e daqui a pouco já está suja de novo.

Todos os comportamentos que essa mulher está emitindo estão tendo consequência estímulos que geram sentimentos desagradáveis (chamados de estímulos aversivos): conversar com o marido gera estímulo de ser ignorada, ir trabalhar gera o estímulo da chefe brigar, levar os filhos para escola gera o estímulo de ser chamada na diretoria que vai reclamar deles, trabalhar não gera o estímulo dinheiro suficiente para pagar as contas, limpar a casa gera o estímulo casa suja poucos momentos depois. Chega um momento que é como se a pessoa pensasse “por que vou fazer alguma coisa se isso vai gerar alguma coisa ruim”, é como se ela desanimasse de tudo e de todos, porque só coisas ruins acontecem quando ela faz algo, ai ela não quer fazer mais nada. E, pior, esse sentimento ainda é acompanhado de pensamentos negativos ao extremo, sentimentos aversivos, diminuição na energia para fazer as coisas, vontade de não fazer mais nada nunca mais. Isso meu amigo, é um quadro de depressão se instalando.

À medida que a pessoa passa por um período da vida experimentando mais estímulos aversivos do que reforçadores, ela começa a diminuir seus comportamentos, afinal, tudo que faz da errado. Uma característica muito forte na depressão é a diminuição de comportamentos, como se fosse uma medida protetiva para a pessoa para de se ferrar na vida. Essa medida de proteção faz com que a energia do corpo diminua, que ela perca o interesse nas pessoas, que ela não sinta prazer em nada do que faz, e que ela só emita comportamentos que inspire cuidados como expressão de tristeza, choro, lamentações. É um pedido de socorro, um indicativo que a vida da pessoa precise mudar.

Um ponto importante sobre a depressão é que ela não é curada com força de vontade. Um conselho que é muito ofertado a pessoas com depressão é: “levanta daí e vá fazer alguma coisa”. Porém, para pessoa isso é contra produtivo uma vez que foi exatamente fazer coisas que a fez estar naquela situação. Conselhos do tipo: “se você quiser mesmo você consegue”, “isso é frescura, você não tem nada”, “você está é folgado(a) e não quer trabalhar”, “levanta daí e vá fazer alguma coisa”, etc. fazem com que a pessoa que os ouve tenha sentimentos de culpa, raiva, angustia e tristeza, tudo que ela não precisa haja vista já estar com outros vários sentimentos negativos presentes.

O QUE FAZER PARA AJUDAR ALGUÉM COM DEPRESSÃO

A primeira coisa que você precisa fazer para ajudar alguém com depressão é não tentar fazer ela sarar a base de estimulação aversiva, ou seja, não falar as frases que citei no parágrafo acima. Fazer aquilo só piora o quadro.

A segunda coisa é estimular o autocuidado da pessoa. Incentivar ela a tomar banho, a colocar uma roupa bonita, a se maquiar, a fazer exercícios, a cuidar de seu ambiente. E quando falo incentivar é de uma forma positiva do tipo “vamos sair dar uma caminhada, sei que você não está com vontade, mas ficar deitada só vai fazer você se sentir pior”. Araste a pessoa para fazer algo que você sabe que não vai gerar nenhum tipo de estimulo aversivo.

Auxilie a pessoa a procurar um profissional. Pode ser um psiquiatra, um psicólogo, o médico do postinho perto de casa, mas procure ajuda profissional. As vezes os casos de depressão se resolvem sozinhos quando há mudança no contexto de vida que a pessoa está inserida, a maior parte das vezes vai ser necessário alguém que vá auxiliar essa mudança acontecer.

NÃO QUEIME A LARGADA - Ebook Gratis

NÃO QUEIME A LARGADA - Ebook Gratis

TUDO o que você precisa saber sobre EJACULAÇÃO PRECOCE.

Neste ebook trago para você o que tem de mais recente e confiável no entendimento da EJACULAÇÃO PRECOCE.

O ebook será carregado em uma nova página em instantes!

Open chat
%d blogueiros gostam disto: