Respondendo a um e-mail que recebi de uma leitora, hoje vou falar um pouco sobre um tema que vai ao contrário do que comumente venho escrevendo: a ejaculação retardada.
Continue a leitura para você descobrir:

  • Critérios diagnósticos de ejaculação retardada;
  • Quais as causas da ejaculação retardada;
  • Quais os possíveis tratamentos.

O orgasmo é o principal reforçador do sexo. Dizem que sexo é bom até quando é ruim, porém uma ausência persistente em chegar lá pode trazer alguns problemas, entre eles a diminuição da apetência (desejo) sexual. Entre os problemas encontrados na fase da resposta sexual humana masculina referente ao orgasmo estão: ejaculação precoce, ejaculação retardada ou bloqueada, ejaculação retrograda, ejaculação dolorosa, anejaculação, ejaculação astênica e ejaculação reflexa. Apesar de estarem todos incluídos no mesmo tipo de transtorno (do orgasmo) podemos diferenciar estes transtornos em dois grupos, do orgasmo e da ejaculação.

Os transtornos da ejaculação estão relacionados a forma da emissão da ejaculação. Uma ejaculação retrógrada é aquela que o sêmen, ao invés de ser expelido pela uretra, é vazado para dentro da bexiga. O problema é sim foi na emissão da ejaculação. Já a ejaculação precoce e a ejaculação retardada ou bloquada estão relacionados ao orgasmo em si, e não necessariamente a ejaculação. Inclusive alguns autores diferenciam ejaculação de orgasmos como sendo coisas diferentes que acontecem ao mesmo tempo. Mas isso é outra história.

 

Ejaculação retardada – critérios diagnósticos.

A ejaculação bloqueada, também chamada de ejaculação retardada, incompetência ejaculatória ou ejaculação inibida, é caracterizada por uma demora persistente em alcançar o orgasmo a despeito de estimulação sexual adequada e do desejo de gozar. É o oposto da ejaculação precoce. Mesmo o homem estando sob muita excitação sexual, inibe a liberação do reflexo ejaculatório e do orgasmo. O que predomina nestes casos é o hipercontrole sobre a ejaculação. O problema deve aparecer na maioria das relações sexuais.

Nos casos de ejaculação bloqueada o tempo não é o fator preponderante, e sim a impossibilidade de ejacular, mesmo desejando, e o desconforto que isso trás a si e à parceira. Alguns casais podem relatar tentativas prolongadas de atingir o orgasmo a ponto de causar exaustão ou desconforto genital. É possível que o homem ou a parceira evitem atividades sexuais por conta do problema, e é comum a parceira se achar menos atraente sexualmente porque o parceiro não consegue atingir o orgasmo com ela.

Acontece muitas vezes de o homem ser incapaz de ejacular dentro da vagina e acabar recorrendo a masturbação para atingir o orgasmo.

A ejaculação retardada pode ser primária ou secundária, leve ou grave, generalizada ou situacional.

Os casos são considerados primários quando aconteceram desde o início da vida sexual, e secundários quando apareceram após um período de práticas sexuais funcionais. As primárias foram as mais comuns nos estudos de Master e Johnson.

Generalizada é a dificuldade de ejacular independente da(o) parceira (0) ou situação sexual. Já nos casos situacionais o homem consegue ejacular quando deseja em algumas situações e não em outras, isso depende de parceiras ou parceiros, posições, via (anal, vaginal, oral) entre outros. Os casos de incapacidade ejaculatória situacionais são raros, salvo quando há homossexualidade associados, nestas situações o homem pode ser incompetente na relação com uma mulher, mas funcional com alguém do mesmo gênero. Pelo amor de Deus, não vão confundir casos de ejaculação retardada e dizer que o cara é gay porque não consegue chegar ao orgasmo com a mulher, os casos devem ser muito bem avaliados antes de chegar a alguma conclusão.Ejaculação retardada tem quase sempre a mesma causa da precoce: ansiedade e insegurança

A ejaculação retardada é leve quando o homem mesmo não conseguindo ejacular dentro da vagina, pode ter orgasmo com a parceira por meio de estimulação manual e/ou boquete orogenital por ela praticada. Nos casos de maior gravidade, por mais longa e vigorosa que seja a estimualação, o homem não consegue ejacular dante da parceira, independente de quem esteja realizando as manobras masturbatórias. Quanto mais grave, mais difícil o tratamento.

 

Causas da Ejaculação Retardada

A etiologia dos casos de ejaculação retardada é bastante variável. Podemos dividir as causas em orgânicas e psicossociais.

Entre os determinantes orgânicos estão o uso de medicamentos (antidepressivos, ansiolíticos, babitúricos), de drogas (álcool, maconha, cocaína), certas intervenções cirúrgicas que comprometem o sistema nervoso autônomo pélvico, como em amputações do colo ou do reto, em lesões de medula e dos gânglios simpáticos e, por fim, processos genitais congênitos (como má formação) ou certas enfermidades do sistema nervoso. Tirando os processos genitais congênitos, o restante das causas orgânicas decorrem de uma ação que danifica ou modifica o organismo, seja uma substância, doença ou trauma.

A maioria das causas são psicológicas, frequentemente associadas a uma educação sexual repressora e questões religiosas ortodoxas, principalmente nos casos de incompetência primária. Também pode ser causa algum tipo de hostilidade ou rejeição pela esposa, principalmente após algum trauma de origem psicossocial, por exemplo, descobrir que ela teve um caso ou foi estuprada. Deve ser considerada a dificuldade na entrega afetiva e sexual de uma relação a dois. A homossexualidade, a falta de interesse ou de atração física por uma determinada mulher e o medo exagerado de engravidar a parceira podem ser causas da incapacidade ejaculatória intravaginal.

Estresse, ansiedade de desempenho, preocupação excessiva com o orgasmo da parceira, crenças de que o sexo é sujo ou apenas para fins reprodutivos, lembranças traumáticas de ter sido pego se masturbando ou em uma relação sexual ilícita também estão entre os problemas psicológicos.

A pornografia e a masturbação também podem ser causas do problema. O consumo de pornografia pode causar um desinteresse pelo sexo com a parceira física. O nosso organismo apresenta um conceito chamado de limiar, é a intensidade mínima de estimulação para desencadear uma resposta. Pegando uma questão fisiológica por exemplo, o limiar seria a temperatura mínima necessária para que o corpo começasse a suar. Você já deve ter visto pessoas que está um calorão e não estão suando, e o contrário também, está um frio do caramba e a pessoa de regata. Essas pessoas tem um limiar ao calor ou frio maior. O que aumenta o limiar é a exposição prolongada ao estímulo. A visão de material pornográfico vasto, na maioria das vezes maquiado, com cenas montadas, e sem imperfeições, pode aumentar o limiar de interesse do homem em atividades sexuais, ele necessita de um estímulo maior para poder se interessar por sexo.

Já a masturbação também pode aumentar o limiar que o pênis suporta ao estímulo. Isso ocorre se ao se masturbar o homem usar de movimentos rápidos e intensos, ou de uma forma muito específica. Na relação sexual, muitas vezes o estímulo da vagina no pênis não é o mesmo da masturbação, isso faz com que haja a dificuldade de atingir o orgasmo.

 

Tratamento para ejaculação retardada

O  tratamento pode ser realizado por um psicólogo, médico ou sexólogo, dependendo da origem do problema. Se o problema foi orgânico será necessária alguma intervenção médica. Se psicológico como um trauma, o psicólogo será o profissional mais indicado. Já se a questão é o aumento do limiar ao estímulo, ou outras questões ligadas a sexualidade, tanto o psicólogo como o sexólogo podem ajudar.

O médico vai fazer uma avaliação clínica do estado do organismo. Se houver alguma alteração vai procurar uma forma de corrigir a fisiologia, seja através de medicação ou de intervenção cirúrgica. É importante procurar este profissional por primeiro para descartar hipóteses orgânicas.

O psicólogo pode atuar ressignificando algum tipo de rejeição quando a companheira, se for o caso. Técnicas de focagem em sensação e de desbloqueio ejaculatório podem ser utilizadas também. O problema que causa a ejaculação retardada é o hipercontrole, técnicas de distração podem ser efetivas a medida que o parceiro deixe de focar no controle ejaculatório e passe a prestar atenção em outros estímulos.

O passo mais importante é a pessoa reconhecer o problema. Muitos homens não consideram isso um problema, até podem se gabar de aguentar ficar uma hora metendo. Contudo, ao se tornar recorrente, o controle ejaculatório exacerbado acaba por trazer problemas no relacionamento e sofrimento a ele ou à parceira. É ilusão achar que toda mulher vai querer ficar a noite inteira fazendo sexo, que controlar excessivamente a ejaculação vai trazer mais prazer à mulher, as vezes dar uma rapidinha pode ser mais gostosa do que ficar por muito tempo.

 

 

Open chat
Powered by
%d blogueiros gostam disto: